sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Dai ao Brasil o que é do Brasil e dai a Deus o que é de Deus

29º Domingo do Tempo Comum Ano A_ Igreja Católica 
22/10/2017

Primeira Leitura (Is 45,1.4-6)
Leitura do Livro do profeta Isaías:
1Isto diz o Senhor sobre Ciro, seu Ungido: “Tomei-o pela mão para submeter os povos ao seu domínio, dobrar o orgulho dos reis, abrir todas as portas à sua marcha, e para não deixar trancar os portões.
4Por causa de meu servo Jacó, e de meu eleito Israel, chamei-te pelo nome; reservei-te, e não me reconheceste. 5Eu sou o Senhor, não existe outro: fora de mim não há deus. Armei-te guerreiro, sem me reconheceres, 6para que todos saibam, do oriente ao ocidente, que fora de mim outro não existe. Eu sou o Senhor, não há outro”.
Palavra do Senhor!
Nota 45 1-7
Deus, o Senhor da história, é quem dirige as nações e acontecimentos para dar liberdade e vida ao povo que a ele se aliou. Para realizar o seu projeto, Javé se serve da história dos povos, chegando mesmo a tomar um rei pagão para revesti-lo com a função de messias  (ungido), própria dos reis de Israel. O Deus vivo não está confinado a um templo, nem a uma instituição, nem a determinada estrutura de religião o lugar eminente de seu agir é a história e a vida. O v. 7 salienta que Javé criou todas as coisas, e sabemos, pela Bíblia, que toda criação é boa (cf. Gn 1, 4.10.12 etc. Eclo 39, 12-35). A distinção entre o bem e o mal começa a partir do posicionamento que o homem toma diante do projeto de Deus.


Responsório (Sl 95)
— Ó família das nações, dai ao Senhor poder e glória!
— Cantai ao Senhor Deus um canto novo, cantai ao Senhor Deus, ó terra inteira! Manifestai a sua glória entre as nações, e entre os povos do universo seus prodígios!
— Pois Deus é grande e muito digno de louvor, é mais terrível e maior que os outros deuses, porque um nada são os deuses dos pagãos. Foi o Senhor e nosso Deus quem fez os céus.
— Ó família das nações, dai ao Senhor, ó nações, dai ao Senhor poder e glória, dai-lhe a glória que é devida ao seu nome! Oferecei um sacrifício nos seus átrios.
— Adorai-o no esplendor da santidade, terra inteira, estremecei diante dele! Publicai entre as nações: “Reina o Senhor!”, pois os povos ele julga com justiça.
Nota 96(95)
Hino à realeza de Deus, que vem para estabelecer o seu Reino de justiça.
1-6
Louvor a Deus, proclamando a sua vitória sobre os ídolos das nações. A função do povo de Deus é testemunha na história, através do louvor e da ação, o Deus vivo que derrota os ídolos.
7-10
A proclamação central deste louvor é a realeza de Deus, soberano do universo e da história.
11-13
Toda a realidade é convidada a participar do louvor com que o povo aclama seu Deus. Sua realeza se estabelece na história à medida que a justiça triunfa sobre a injustiça. Em cada luta pela justiça, é o próprio Deus que está vindo para reinar.

Segunda Leitura (1Ts 1,1-5b)
Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Tessalonicenses:
1Paulo, Silvano e Timóteo, à Igreja dos tessalonicenses, reunida em Deus Pai e no Senhor Jesus Cristo: a vós, graça e paz!
2Damos graças a Deus por todos vós, lembrando-vos sempre em nossas orações. 3Diante de Deus, nosso Pai, recordamos sem cessar a atuação da vossa fé, o esforço da vossa caridade e a firmeza da vossa esperança em nosso Senhor Jesus Cristo.
4Sabemos, irmãos amados por Deus, que sois do número dos escolhidos. 5bPorque o nosso Evangelho não chegou até vós somente por meio de palavras, mas também mediante a força que é o Espírito Santo; e isso, com toda a abundância.
Nota 1
1
A Igreja é a comunidade Cristã local formada pelas pessoas que acreditam em Deus e se comprometem com o testemunho de Jesus Cristo.
2-3
Cf. nota  em Cl 1,3-8.
Nota de Colossenses
1
3-8
A trilogia fé-amor-esperança define a vida cristã na sua base, na sua concretização prática e no seu dinamismo histórico. A vida cristã nasce dos compromisso de fé em Jesus Cristo, que significa aceitar a vida e ação de Jesus e continuá-las entre os homens. O amor é a realização prática desse testemunho, através da partilha dos bens e da fraternidade, que concretizam o Reino de Deus no dia-a-dia da história. A esperança é o dinamismo que nasce do amor, alimentando a vida cristã, voltada para o futuro do Reino de Deus, isto é, para a realização plena da vida.

Anúncio do Evangelho (Mt 22,15-21)

Naquele tempo, 15os fariseus fizeram um plano para apanhar Jesus em alguma palavra. 16Então mandaram os seus discípulos, junto com alguns do partido de Herodes, para dizerem a Jesus: “Mestre, sabemos que és verdadeiro e que, de fato, ensinas o caminho de Deus. Não te deixas influenciar pela opinião dos outros, pois não julgas um homem pelas aparências. 17Dize-nos, pois, o que pensas: É lícito ou não pagar imposto a César?” 18Jesus percebeu a maldade deles e disse: “Hipócritas! Por que me preparais uma armadilha? 19Mostrai-me a moeda do imposto!” Levaram-lhe então a moeda.

20E Jesus disse: “De quem é a figura e a inscrição desta moeda?” 21Eles responderam: “De César”. Jesus então lhes disse: “Dai pois a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus”.

15-22
Cf. nota em Mc 12,13-17. O novo povo de Deus pertence unicamente a Deus, e só Deus pode exigir do homem adoração.
Nota de Marcos 12
13-17
O imposto era o sinal da dominação romana; os fariseus a rejeitavam, mas os partidários de Herodes a aceitavam. Se Jesus responde “sim”, os fariseus o desacreditarão diante do povo;  se ele diz “não”, os partidários de Herodes poderão acusá-lo de subversão. Mas Jesus não discute a questão do imposto. Ele se preocupa é com o povo: a moeda é “de César”, mas o povo é “de Deus”. O imposto só é justo quando reverte em benefício do bem comum. Jesus condena a transformação do povo em mercadoria que enriquece e fortalece tanto a dominação interna como a estrangeira.

Edinólia Oliveira

A Educação e Saúde precisa de uma união de valores da população para cooperar ou se solidarizar com os mais pobres. Para Administrar esse valor, esse imposto elegemos os chefes de Estado Político. Presidente, Senadores, deputados federais, prefeitos e vereadores que se dizem representantes do povo.
Desde que o mundo vive em desenvolvimento que o ser humano precisa de um administrador. Mas houve escravidão e miséria por causa do Egoísmo, Quem tem muito não divide com quem tem pouco.  Essa é uma questão pra ser discutida.
Estamos em uma ditadura disfarçada de República.


sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Combater a Violência e a fome.

Programa Ecoando
Rádio Comunitária Coité FM 101.7
Esperando pela tão sonhada Outorga à 18 anos.


Primeira Leitura (Is 25,6-10a)
6O Senhor dos exércitos dará neste monte, para todos os povos, um banquete de ricas iguarias, regado com vinho puro, servido de pratos deliciosos e dos mais finos vinhos.
7Ele removerá, neste monte, a ponta da cadeia que ligava todos os povos, a teia em que tinha envolvido todas as nações.
8O Senhor Deus eliminará para sempre a morte e enxugará as lágrimas de todas as faces e acabará com a desonra do seu povo em toda a terra; o Senhor o disse.
9Naquele dia, se dirá: “Este é o nosso Deus, esperamos nele, até que nos salvou; este é o Senhor, nele temos confiado; vamos alegrar-nos e exultar por nos ter salvo”. 10aE a mão do Senhor repousará sobre este monte.
Palavra do Senhor!
**A última palavra de Deus sobre a história não é o julgamento, mas a comunhão universal de todos entre si e com o próprio Deus (cf. 2Pd 1,4; Ap 21,1-22,5). Um redator acrescentou os vv. 10-12, tomando Moab como símbolo daqueles que estarão excluídos dessa grande comunhão, porque se negou a participar do projeto de Deus.

Responsório (Sl 22)
— Na casa do Senhor habitarei, eternamente.
— O Senhor é o pastor que me conduz; não me falta coisa alguma. Pelos prados e campinas verdejantes ele me leva a descansar. Pelas águas repousantes me encaminha, e restaura as minhas forças.
— Ele me guia no caminho mais seguro, pela honra de seu nome. Mesmo que eu passe pelo vale tenebroso, nenhum mal eu temerei; estais comigo com bastão e com cajado; eles me dão a segurança!
— Preparais à minha frente uma mesa, bem à vista do inimigo, e com óleo vós ungis minha cabeça; o meu cálice transborda.
— Felicidade e todo bem hão de seguir-me por toda a minha vida; e na casa do Senhor habitarei pelos tempos infinitos.

23 (22)
Oração de confiança de uma pessoa perseguida que se refugiou no templo. O temas do Pastor e do anfritião recordam a marcha pelo deserto e pelo dom da terra. A segurança junto a Deus se expressa com da ovelha cuidada pelo pastor. Junto a Deus a pessoa adquire forças para enfrentar as situações mais adversas.
Asilado no Templo, o peregrino experimenta a hospitalidade de Deus, que o acolhe, ampara e defende dos inimigos. Essa atitude de Deus é modelo para todas as comunidades que se comprometem com o projeto dele.




Segunda Leitura (Fl 4,12-14.19-20)

Irmãos: 12Sei viver na miséria e sei viver na abundância. Eu aprendi o segredo de viver em toda e qualquer situação, estando farto ou passando fome, tendo de sobra ou sofrendo necessidade. 13Tudo posso naquele que me dá força. 14No entanto, fizestes bem em compartilhar as minhas dificuldades.
19O meu Deus proverá esplendidamente com sua riqueza a todas as vossas necessidades, em Cristo Jesus. 20Ao nosso Deus e Pai a glória pelos séculos dos séculos. Amém.

***10-20
Paulo agradece o auxílio que os filipenses lhe enviaram mediante. Epafrodito. Ele se alegra, não tanta pelo auxílio material recebido, mas pelo afeto e crescimento espiritual que a comunidade demonstra mediante a oferta. 

Anúncio do Evangelho (Mt 22,1-14)

Naquele tempo, 1Jesus voltou a falar em parábolas aos sumos sacerdotes e aos anciãos do povo, dizendo: 2“O Reino dos Céus é como a história do rei que preparou a festa de casamento do seu filho. 3E mandou os seus empregados para chamar os convidados para a festa, mas estes não quiseram ir.
4O rei mandou outros empregados, dizendo: ‘Dizei aos convidados: já preparei o banquete, os bois e os animais cevados já foram abatidos e tudo está pronto. Vinde para a festa!’
5Mas os convidados não deram a menor atenção: um foi para o seu campo, outro para os seus negócios, 6outros agarraram os empregados, bateram neles e os mataram.
7O rei ficou indignado e mandou suas tropas para matar aqueles assassinos e incendiar a cidade deles. 8Em seguida, o rei disse aos empregados: ‘A festa de casamento está pronta, mas os convidados não foram dignos dela. 9Portanto, ide até as encruzilhadas dos caminhos e convidai para a festa todos os que encontrardes’.
10Então os empregados saíram pelos caminhos e reuniram todos os que encontraram, maus e bons. E a sala da festa ficou cheia de convidados. 11Quando o rei entrou para ver os convidados, observou aí um homem que não estava usando traje de festa 12e perguntou-lhe: ‘Amigo, como entraste aqui sem o traje de festa?’ Mas o homem nada respondeu.
13Então o rei disse aos que serviam: ‘Amarrai os pés e as mãos desse homem e jogai-o fora, na escuridão! Aí haverá choro e ranger de dentes’. 14Porque muitos são chamados, e poucos são escolhidos”.
***
1-14
É em Jesus que Deus convoca os homens para uma nova Aliança, simbolizada pela festa de casamento. Os que rejeitam o convite são aqueles que se apegam o sistema religioso que defende seus interesses e, por isso, não aceitam o chamado de Jesus. Estes serão julgados e destruídos juntamente com o sistema que defendem. O convite é dirigido então aos que não estão comprometidos com tal sistema, mas, ao contrário, são até marginalizados por ele. Começa na história um novo povo de Deus, formado de pobres e oprimidos. Os vv. 11-14, porém, mostram que até mesmo estes últimos serão excluídos, se não realizarem a prática da nova justiça (traje de festa)

Edinólia Oliveira

Na primeira leitura fala de um banquete que Deus convoca seu povo.
O salmo é uma oração de agradecimento e pedido que o Senhor nos guia e não nos  falta nada.
A segunda Leitura Paulo agradece as doações e fala da bênção que é termos amigos a quem contar.. amizade é dom de Deus.
A festa da da Parábola que Jesus convida é para todos..O banquete é a Eucaristia e os lugares é resevado a todos sem exclusão.
A desigualdade social está em todos os lugares e instituições.
Jesus foi até os pobres e excluídos e nos convida a fazer o mesmo
Sermos voluntário e sairmos em missão e fazer o convite  para o banquete de Jesus que a a palavra viva de Deus e a Comunhão com a missão de Jesus Cristo;
As religiões se fecham em seus grupos e oram muito; mas a violência e a pobreza cresce e ficam sem saber porque isso acontece e coloca a culpa no governos exclusivamente.
O governo contribui com muita burocracia e privilégios que os pobre nunca irão ter.
Todos ficam alienados colocando culpa exclusivamente na família.
Estamos no mesmo barco.
O egoísmo assola em todos os ambientes.

É preciso união inteligente,  pacífica e honesta para combater a fome e a violência.

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

A videira representa o povo de Deus

Programa Ecoando
Rádio Comunitária Coité FM 101.7
Esperando pela tão sonhada Outorga à 18 anos.

Hoje o No Programa  Ecoando Temos:


Primeira Leitura (Is 5,1-7)
Responsório (Sl 79)
Segunda Leitura (Fl 4,6-9)
Anúncio do Evangelho (Mt 21,33-43)

O dono da vinha fez de tudo para que ela produzisse uvas boas; como ela produziu só uvas azedas, seu dono abandonou-a. Deus fez de tudo para que seu povo vivesse o direito e a justiça; mas o povo só produziu violação do direito e injustiça. A criatura humana tem que entender que Deus, o Criador de todas as coisas escolheu um povo para nos orientar a viver na justiça e no direito. E esse criador está sempre perto de nós e nos deu a liberdade para escolhermos mas, muito agem de forma egoísta e não acreditam no poder de Deus. 
Por isso , devemos orar e suplicar a Deus para que possamos ouvir a sua voz e agirmos de acordo os seus mandamentos.
 Ele está sempre no meio de seu povo. No entanto os momentos de perigo e dificuldades são ocasiões de suas grandes  manifestações.
A situação presente contrasta com a história que Deus já realizou com o seu povo escrito no salmo 79;: libertação do Egito, ocupação da terra, expansão no tempo do rei Davi. A imagem da videira ou vinha é comum para representar o povo de Deus.
Esse Deus maravilhoso escolheu um descendente de Davi.. O Seu povo .. Jesus.. 
A alegria cristã se baseia na salvação obtida por Cristo, e é testemunha sobretudo pela bondade que se irradia para todos e pela tranqüila confiança em Deus. Os cristãos devem ser fiéis ao que aprenderam dos seus evangelizadores, mas também precisam estar abertos a todas as coisas sadias que encontram na sociedade.
A  formação de um novo povo de Deus, formado agora não por uma nação particular, mas por todos aqueles que acreditam, comprometendo-se com Jesus.
Quem realmente acredita no Filho ungindo de Deus, seja ele Presidente , Governador, prefeito , Deputados Pastores e Padres e Todos os Religiosos fará o que Jesus fez para salvar a humanidade.


quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Tende entre vós o mesmo sentimento que existe em Cristo Jesus.

Programa Ecoando
Rádio Comunitária Coité FM 101.7
Esperando pela tão sonhada Outorga à 18 anos.

Hoje o No Programa  Ecoando Temos:

Os personagens da Infância Missionária


Primeira Leitura (Ez 18,25-28)
Ezequiel fala ao grupo de exilados que está na Babilônia. Por que foram exilados? A idéia  de moral grupal dizia que uma gestação acaba pagando por erros de gerações anteriores. Nesse modo de pensar os exilados estariam fatalmente pagando pelo acúmulo de erros dos antepassados. O profeta, porém, vai contra essa concepção, e demonstra o seguinte:
_ Cada pessoa e cada geração é responsável por sua conduta, tanto em nível individual como coletivo.
_ Cada pessoa e geração tem a possibilidade de  se converter, mudando completamente a orientação da própria vida.
Ezequiel não nega que uma geração possa sofrer conseqüências de atos da geração anterior. Embora a culpa seja das gerações anteriores, aquela que sofre as conseqüências deverá tomar posição e mudar o rumo dos acontecimentos.
Responsório (Sl 24)
25 (24)
Súplica em estilo de reflexão sapiencial.
1-3
A menção de “inimigos” mostra que a situação tem causas ou conseqüências sociais.
4-5
A situação é obscura. O salmista pede que Deus lhe abra perspectivas.
6-7
Pede que seus erros involuntários não sejam empecilho para que Deus o trate com amor na situação angustiante em que se encontra.
8-11
Não está claro qual seja a falta ou pecado. Em todo caso, é ocasião para uma tomada de consciência e conversão.
12-15
O temor de Deus é a atitude própria de quem reconhece que Deus é Deus, e o homem não é Deus. Quando o homem reconhece que só Deus é o absoluto, passa a relativizar os projetos humanos e permanece aberto à contínua novidade do projeto de Deus.
16-22
Descreve sua própria situação deplorável e clama por libertação.
Segunda Leitura (Fl 2,1-11)
Citando um hino conhecido, Paulo mostra qual é o Evangelho da cruz, o Evangelho autêntico, e apresenta em Cristo o modelo da humanidade. Embora tivesse a mesma condição de Deus, Jesus se apresentou entre os homens como simples homem. E mais: abriu mão de qualquer privilégio, tornando-se apenas homem que obedece a Deus e serve aos homens. Não bastasse isso, Jesus serviu até o fim, perdendo a honra ao morrer na cruz, como se fosse criminoso. Por isso Deus ressuscitou e o colocou no posto mais elevado que possa existir, como Senhor do universo e da história. Os cristãos são convidados a fazer o mesmo: abrir mão de todo e qualquer privilégio, até mesmo da boa fama, para pôr-se a serviço dos outros até o fim.
Anúncio do Evangelho (Mt 21,28-32)
O primeiro filho é figura dos pecadores públicos que se convertem à justiça anunciada por João Batista e por Jesus. O segundo filho é figura dos chefes do povo, que se consideram justos e não se convertem.
O Tema Litúrgico 
Tende entre vós o mesmo sentimento que existe em Cristo Jesus.

Falando de Política:






sábado, 23 de setembro de 2017

A Bíblia

Bíblia (do grego βιβλία, plural de βιβλίον, transl. bíblion, "rolo" ou "livro", diminutivo de "byblos", “papiro egípcio”, provavelmente do nome da cidade de onde esse material era exportado para a Grécia, Biblos, atual Jbeil, no Líbano)[1][2][3][4] é uma coleção de textos religiosos de valor sagrado para o cristianismo,[5][6][7] em que se narram interpretações religiosas do motivo da existência do homem na Terra. É considerada pelos cristãos como divinamente inspirada,[2] tratando-se de importante documento doutrinário.
Segundo a tradição aceita pela maioria dos cristãos, a Bíblia foi escrita por 40 autores, entre 1 500 a.C. e 450 a.C. (livros do Antigo Testamento) e entre 45 d.C. e 90 d.C. (livros do Novo Testamento), totalizando um período de quase 1600 anos.[8] A maioria dos historiadores considera que a data dos primeiros escritos acreditados como sagrados é bem mais recente: por exemplo, enquanto a tradição cristã coloca Moisés como o autor dos primeiros cinco livros da Bíblia (Pentateuco), muitos estudiosos aceitam que foram compilados pela primeira vez apenas após o exílio babilônico, a partir de outros textos datados entre o décimo e o quarto século antes de Cristo.[9] Muitos estudiosos também afirmam que ela foi escrita por dezenas de pessoas oriundas de diferentes regiões e nações.[10][11]
Segundo uma interpretação literal do Gênesis (primeiro livro da Bíblia), o homem foi criado por Deus a partir do ,[12] após os céus e a terra,[13] entre seis e oito mil anos atrás,[14] e ganhou a vida após Deus soprar o fôlego da vida em suas narinas.[13][15]
É o livro mais vendido de todos os tempos[16] com mais de seis bilhões de cópias em todo o mundo, uma quantidade sete vezes maior que o número de cópias do 2º colocado da lista dos livros mais vendidosO Livro Vermelho.[17