sábado, 23 de setembro de 2017

A Bíblia

Bíblia (do grego βιβλία, plural de βιβλίον, transl. bíblion, "rolo" ou "livro", diminutivo de "byblos", “papiro egípcio”, provavelmente do nome da cidade de onde esse material era exportado para a Grécia, Biblos, atual Jbeil, no Líbano)[1][2][3][4] é uma coleção de textos religiosos de valor sagrado para o cristianismo,[5][6][7] em que se narram interpretações religiosas do motivo da existência do homem na Terra. É considerada pelos cristãos como divinamente inspirada,[2] tratando-se de importante documento doutrinário.
Segundo a tradição aceita pela maioria dos cristãos, a Bíblia foi escrita por 40 autores, entre 1 500 a.C. e 450 a.C. (livros do Antigo Testamento) e entre 45 d.C. e 90 d.C. (livros do Novo Testamento), totalizando um período de quase 1600 anos.[8] A maioria dos historiadores considera que a data dos primeiros escritos acreditados como sagrados é bem mais recente: por exemplo, enquanto a tradição cristã coloca Moisés como o autor dos primeiros cinco livros da Bíblia (Pentateuco), muitos estudiosos aceitam que foram compilados pela primeira vez apenas após o exílio babilônico, a partir de outros textos datados entre o décimo e o quarto século antes de Cristo.[9] Muitos estudiosos também afirmam que ela foi escrita por dezenas de pessoas oriundas de diferentes regiões e nações.[10][11]
Segundo uma interpretação literal do Gênesis (primeiro livro da Bíblia), o homem foi criado por Deus a partir do ,[12] após os céus e a terra,[13] entre seis e oito mil anos atrás,[14] e ganhou a vida após Deus soprar o fôlego da vida em suas narinas.[13][15]
É o livro mais vendido de todos os tempos[16] com mais de seis bilhões de cópias em todo o mundo, uma quantidade sete vezes maior que o número de cópias do 2º colocado da lista dos livros mais vendidosO Livro Vermelho.[17

Quem escreveu a Bíblia

m algum lugar do Oriente Médio, por volta do século 10 a.C., uma pessoa decidiu escrever um livro. Pegou uma pena, nanquim e folhas de papiro (uma planta importada do Egito) e começou a contar uma história mágica, diferente de tudo o que já havia sido escrito. Era tão forte, mas tão forte, que virou uma obsessão. Durante os 1 000 anos seguintes, outras pessoas continuariam reescrevendo, rasurando e compilando aquele texto, que viria a se tornar o maior best seller de todos os tempos: a Bíblia. Ela apresentou uma teoria para o surgimento do homem, trouxe os fundamentos do judaísmo e do cristianismo, influenciou o surgimento do islã, mudou a história da arte – sem a Bíblia, não existiriam os afrescos de Michelangelo nem os quadros de Leonardo da Vinci – e nos legou noções básicas da vida moderna, como os direitos humanos e o livre-arbítrio. Mas quem escreveu, afinal, o livro mais importante que a humanidade já viu? Quem eram e o que pensavam essas pessoas? Como criaram o enredo, e quem ditou a voz e o estilo de Deus? O que está na Bíblia deve ser levado ao pé da letra, o que até hoje provoca conflitos armados? A resposta tradicional você já conhece: segundo a tradição judaico-cristã, o autor da Bíblia é o próprio Todo-Poderoso. E ponto final. Mas a verdade é um pouco mais complexa que isso.

A Justiça de Deus

Programa Ecoando
Rádio Comunitária Coité FM 101.7
Esperando pela tão sonhada Outorga à 18 anos.

Hoje o No Programa  Ecoando Temos:

* O Tema Litúrgico desse 25º Domingo do Tempo Comum Ano A da Igreja Católica
"A Justiça de Deus"
* Infância Missionária
* Músicas que falam ao coração para a paz no Mundo.

LEITURA I – Is 55,6-9
Leitura do Livro de Isaías
Procurai o Senhor, enquanto se pode encontrar, invocai-O, enquanto está perto. Deixe o ímpio o seu caminho e o homem perverso os seus pensamentos. Converta-se ao Senhor, que terá compaixão dele, ao nosso Deus, que é generoso em perdoar. Porque os meus pensamentos não são os vossos, nem os vossos caminhos são os meus – oráculo do Senhor –Tanto quanto o céu está acima da terra, assim os meus caminhos estão acima dos vossos e acima dos vossos estão os meus pensamentos.
Nota:
6-11
Javé tem um projeto de verdadeira realização para a história: liberdade e vida para todos. Esse projeto é revelado aos homens através da Palavra que, gerando acontecimentos, concretiza o projeto de Deus. A sabedoria do homem consiste em procurar Javé, isto é, converte-se para ele, ouvir a sua palavra e tornar-se aliado seu na luta em prol da liberdade e vida para todos.
SALMO RESPONSORIAL – Salmo 144 (145)
Refrão: O Senhor está perto de quantos O invocam.
Quero bendizer-Vos, dia após dia,
e louvar o vosso nome para sempre.
Grande é o Senhor e digno de todo o louvor,
insondável é a sua grandeza.
O Senhor é clemente e compassivo,
paciente e cheio de bondade.
O Senhor é bom para com todos
e a sua misericórdia se estende a todas as criaturas.
O Senhor e justo em todos os seus caminhos
e perfeito em todas as suas obras.
O Senhor está perto de quantos O invocam,
de quantos O invocam em verdade.
Nota:
Hino de louvor ao Nome e ao amor de Deus, testemunhados na história.
1-2
O louvor ao Nome, revelado no momento da grande libertação, recorda que o Deus vivo é o libertador.
3-7
O louvor é um reconhecimento das obras de Deus realiza na história. Transmitido de geração em geração, esse louvor mantém a fé que constrói a história segundo o projeto de Deus.
8-13a
O centro desse projeto é o amor de Deus criando liberdade e vida. O reino de Deus é o amor partilhado entre todos os homens, para eliminar as divisões e desigualdades.
13b-20
O amor de Deus, porém, age de forma partidária, assumindo a causa dos oprimidos que o invocam e colocando-se contra os opressores.
21
Termina com o convite para que todos reconheçam a santidade do Deus libertador.
LEITURA II – Filip 1,20c-24.27a
Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Filipenses
Irmãos:
Cristo será glorificado no meu corpo, quer eu viva quer eu morra. Porque, para mim, viver é Cristo e morrer é lucro. Mas, se viver neste corpo mortal é útil para o meu trabalho, não sei o que escolher. Sinto-me constrangido por este dilema: desejaria partir e estar com Cristo, que seria muito melhor; mas é mais necessário para vós que eu permaneça neste corpo mortal. Procurai somente viver de maneira digna do Evangelho de Cristo.
Nota:
19-26
Paulo provavelmente tem meios para ser solto da prisão e escapar à morte. Mas encontra-se num dilema: viver ou morrer? No contexto da sua fé, as duas coisas se equivalem: viver é está em função de Cristo, ou seja, da evangelização; e morrer é lucro, pois leva a estar com Cristo. Paulo resolve o dilema, não levando em conta seu próprio interesse, mas o que é melhor para a comunidade: continuar vivo, para ajudar os filipenses a crescer e se realizar plenamente na fé.
EVANGELHO – Mt 20,1-16a
Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos a seguinte parábola: «O reino dos Céus pode comparar-se a um proprietário, que saiu muito cedo a contratar trabalhadores para a sua vinha. Ajustou com eles um denário por dia e mandou-os para a sua vinha. Saiu a meio da manhã, viu outros que estavam na praça ociosos e disse-lhes: ‘Ide vós também para a minha vinha e dar-vos-ei o que for justo’. E eles foram. Voltou a sair, por volta do meio-dia e pelas três horas da tarde, e fez o mesmo. Saindo ao cair da tarde, encontrou ainda outros que estavam parados e disse-lhes: ‘Porque ficais aqui todo o dia sem trabalhar?’ Eles responderam-lhe: ‘Ninguém nos contratou’. Ele disse-lhes: ‘Ide vós também para a minha vinha’. Ao anoitecer, o dono da vinha disse ao capataz: «Chama os trabalhadores e paga-lhes o salário, a começar pelos últimos e a acabar nos primeiros’. Vieram os do entardecer e receberam um denário cada um. Quando vieram os primeiros, julgaram que iam receber mais, mas receberam também um denário cada um. Depois de o terem recebido, começaram a murmurar contra o proprietário, dizendo: ‘Estes últimos trabalharam só uma hora e deste-lhes a mesma paga que a nós, que suportámos o peso do dia e o calor’. Mas o proprietário respondeu a um deles: ‘Amigo, em nada te prejudico. Não foi um denário que ajustaste comigo? Leva o que é teu e segue o teu caminho. Eu quero dar a este último tanto como a ti. Não me será permitido fazer o que eu quero do que é meu? Ou serão maus os teus olhos porque eu sou bom?’ Assim, os últimos serão os primeiros e os primeiros serão os últimos».
Nota:
1-16
No reino não existe marginalizados. Todos têm o mesmo direito de participar da bondade e misericórdia divinas, que superam tudo o que os homens consideram como justiça. No Reino não há lugar para o ciúme. Aqueles que julgam possuir mais méritos do que os outros devem aprender que o Reino é dom gratuito.
.Reflexão:
A liturgia do 25º Domingo do Tempo Comum convida-nos a descobrir um Deus cujos caminhos e cujos pensamentos estão acima dos caminhos e dos pensamentos dos homens, quanto o céu está acima da terra. Sugere-nos, em consequência, a renúncia aos esquemas do mundo e a conversão aos esquemas de Deus.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Segundo Livro das Crônicas

1-9
A figura de Salomão é importante, mas secundária em relação à de seu pai Davi, porque, para o autor, Davi foi o organizador político do povo  e o fundador do culto israelita. Davi tinha deixado inclusive o material e o projeto para a construção do Templo. Salomão foi mero executor. Para o autor, a glória de Salomão é um meio de frisar a glória de Javé. A partir do reinado de salomão, é Javé quem passa a habitar no Templo em meio ao seu povo. O autor "esquece" propositalmente todos os erros de Salomão (veja 1Rs 3-11 e notas).
1
1-13
No início, Salomão se coloca diante de Deus, suplicando que seu governo seja, de fato, expressão da vontade divina. Para que isso realmente se concretize, é necessário que a ação política seja dirigida pela sabedoria e conhecimento. Em outras palavras: o governante deve ter conhecimento das necessidades e anseios do povo, para saber discernir os conflitos e encaminhar soluções justas. Cf; também nota em 1Rs 3,4-15.
14-17
Salomão procura imediatamente prover a nação de recursos bélicos, certamente por medidas de segurança. Veja, porém, nota em 1Rs 10,26-29.
1,18-2,15
Cf. npota em 1Rs 5,15-32. O autorde Crônicas, porém, frisa o sentido do Templo dentro da religião: é o lugar para o povo se reunir e invocar a Deus (Nome) e colocar-se diante de Deus e do seu projeto. O texto deixa claro que Deus e do seu projeto. O texto deixa claro que Deus não pode ser contido numa construção, seja ela mateiral (templo, igrejas, etc.), mental (conceitos, sistemas, teologias), seja social (instituições, movimentos, partidos, etc.).
2
16-17
O trabalho pesado se realiza por mão-de-obra estrangeira, recrutada entre os imigrantes. Com isso, o autor parece dizer que Israel não deve sujeitar-se a trabalhos inferiores...
3,1-5,1
Cf. nota em 1Rs 8,1-13. O autor se preocupa em mostrar a função dos levitas, mencionando-os ao lado dos sacerdotes. Dessa forma, ele tenta conciliar o conflito que tinha existido entre sacerdotes e levitas (cf. 1Rs 2,26-46 e nota).
6
3-20
O autor se serve do relato que aparece em 1Rs, para mostrar que Javé realiza o que promete, vindo habitar no meio do povo. Cf. também nota em 1Rs 8,14-29.
21-42
Repete-se aqui, quase literalmente, a oração de Salomão ao inaugurar o Templo de Jerusalém. Cf. 1Rs 8,30-66 e nota. No pós-exílio, tempo em que foi redigido este livro, o Templo é, por excelência, o lugar da súplica, aberto para todas as circunstâncias.
7
1-10
Os sinais de teofonia (fogo do céu, glória de Javé), depois da oração de Salomão, se apresentam como resposta divina às súplicas contidas nessa oração: doravante, o Templo se torna lugar simbólico, onde acontece a relação entre Deus e o povo. 
11-22
Cf. nota em 1Rs 9,1-9. O autor de Crônicas atualiza a adversidade para a situação do pós-exílio: as desgraças acarretadas pelo pecado deverão provocar um processo de conversão ao projeto de Javé (estatos e normas --- cf. Dt).

8
1-16
O autor quer salientar a glória de Salomão e o respeito pelos lugares consagrados e pelas observâncias religiosas. Cf., porém, nota em 1Rs 9,10-25. 
17-18
Cf. nota em 1Rs 9,26-28.
9
1-12
Cf. nota em 1Rs 10,1-13.
13-24
Cf. nota em 1Rs 10, 14-25.
25-28
Cf. nota em 1Rs 10,26-29.
29-31
Encontramos repentinamente a notícia da morte de Salomão, sem nenhuma alusão à sua decadência (cf. 1Rs 11). Referindo-se a fontes proféticas, o autor parece estar remetendo ao livro de 1Rs 1-11.
10-12
O autor de Crônicas eliminou muitas informações contidas nos livros dos Reis, pretendendo passar a idéia de que o reinado de Salomão foi irrepreensível. Mas não pode negar o resultado catastrófico que se foi preparando ao longo do governo desse rei: a divisão inevitável, que nunca mais seria curada. Doravante, as atenções do autor se concentram no Reino de Judá, onde permanecem a dinastia de Davi e o Templo de Jerusalém. 
10,1-11,4
Cf. nota em 1Rs 12,1-24.
11
5-12
Tendo que se contentar com território limitado. Roboão procura reforçar as cidades principais, tornando-as verdadeiras fortalezas. 
13-17
Jeroboão se esforçou para dar às tribos do Norte feição político-religiosa própria (cf. nota em 1Rs 12,25-33). O autor de Crônicas, porém, situação em tempo e situação diferentes, procura mostrar Jerusalém como lugar do verdadeiro culto a Javé. É para elas que todos devem dirigir-se. 
18-23
A esperteza política no fato de ele distribuir seus filhos por todas as regiões do reino, principalmente nas cidades fortificadas. De um lado, isso evitava competições entre os filhos; de outro, assegurava-lhe  o controle de todo o território o controle de todo o território.
12
1-16
Cf. nota em 1Rs 14,21-31.

13,1-21,1
Diferentemente dos livros dos Reis, Crônicas só registram a história dos reis de Judá, considerados como fiéis a Javé. O autor salienta o papel dos profetas no culto a Javé. mostrando que é Javé o protagonista principal de uma política, pela qual os reis se devem guiar.
13
1-23
O autor aproveita as poucas notícias que tem sobre o rei Abias (cf. nota em 1Rs 15,1-8) para mostrar que Jerusalém é o lugar do verdadeiro culto a Javé, e que apenas aí se encontra o sacerdócio legítimo. É só através desse culto que Javé abençoa e concede a vitória ao seu povo. 
14
1-14
Sobre Asa, cf. nota em 1Rs 15,9-24. Crônicas mostram que Deus é a garantia da segurança e prosperidade. Ele, nas situações difíceis, sempre se coloca ao lado dos seus, afirmando  sua grandeza diante dos inimigos.
15
1-19
Aproveitando vagas notícias de uma reforma feita pelo rei Asa (1Rs 15,11-15), o autor descreve uma cerimônia solene de renovação da Aliança, tal como acontecia nos tempos desse rei. A renovação da Aliança proporcionava coesão do povo ao redor de Javé. Este, ao mesmo tempo, protegia e fortalecia a identidade do povo diante das influências estrangeiras, que poderiam descaracterizá-lo religiosa e culturalmente. 
16
1-14
A única sombra no reinado de Asa aparece quando ele recorre à aliança política com estrangeiros. O profeta Hanani, confiante na força de um povo aliado com Javé, critica a atitude de Asa e mostra que o jogo dessas alianças políticas arrastará o país em conflitos contínuos com as grandes potências. O preço a pagar por essa busca imprudente de segurança é muitas vezes mais alto do que o preço da própria insegurança.
17
1-19
Josafá desenvolve um governo forte, procurando destruir a idolatria, fazendo respeitar a Lei e, ao mesmo tempo, fortificando o país diante dos reinos vizinhos. Os levitas, que acompanham os oficiais e sacerdotes, têm a missão de instruir o povo conforme a Lei de Javé, expressa no livro do Deuteronômio. Isso é importante para o autor, porque, depois do exílio, à identidade para a comunidade judaica (cf, Esd 7,25; Ne 8,7-8). Nessa instrução, os levitas têm papel importante. Muito provavelmente, foram eles os autores da catequese que, em meados, do séc. VIII, deu origem ao núcleo central do livro do Deuteronômio (cf, nota em Dr 18,1-8). Dessa forma, o autor reabilita a função ideológica do levitas.
18,1-19,3
Cf. nota em 1Rs 22,1-40.
19
4-11
Este livro das Crônicas atribui ao rei Josafá uma administração judiciária, prevista em Dt 17,8-13 (veja nota) e que só apareceu pelo menos um século mais tarde. O que se pretende é oferecer um modelo para a administração da justiça, acentuando uma provável notícia histórica de que Josafá tivesse feito uma reforma judiciária. Os vv. 6-10 mostram o espírito que deve estar presente no juiz. A função dele é resolver as questões a partir do projeto de Javé.
20,1-21,1
O autor aproveita a notícia de uma guerra contra Judá para veicular uma verdade de fá: Deus está com o seu povo e lhe concede a vitória, mesmo que o inimigo seja mais forte. Não se trata de alimentar confiança temerária, como se Deus estivesse ao dispor de nossos caprichos e grupais. Deus se compromete com a liberdade e a vida dos seus aliados. E, quando estes o invocam, ele se apresenta para preservar essa liberdade e vida, que concedeu como direito permanente de seus aliados. A ação de Deus, porém, não é mágica, nem deixa margem para que os aliados se iludam com suas próprias forças. A vitória é dom, e muitas vezes se manifesta através de acontecimentos inesperados (no presente texto, os inimigos se dividem e se destroem).
21
2-20
O reinado de Jorão é desastroso: tirania fratricida, idolatria, fracasso militar, doença e impopularidade. Os vv. 12-15 são a única referência ao profeta.Elias nos livros das Crônicas.
22
1-9
Influenciado pela mãe e aliado com o rei de Israel, Ocozias se arruína, sofrendo as mesmas consequências que marcaram a família de Acab (cf. 1Rs 16-2Rs 10).
22,10-23,21
Cf. nota em 2Rs 11,1-20. O autor salienta o papel dos sacerdotes e levitas, devido à importância deles para a organização da comunidade após o exílio.
24
1-16
Cf. nota em @Rs 12,1-22. Depois do exílio, a coleta se tornará imposto regular em favor do Templo (cf. Mt 17,24), exigido até dos judeus que viviam fora da Palestina.
17-27
Profeta é aquele que mantém a memória do Deus libertador e, por isso, critica e denuncia as autoridades que se servem da idolatria para explorar e oprimir o povo. Incomodadas, essas autoridades matam o profeta, na esperança: a destruição dos promotores da idolatria. A morte do profeta Zacarias ficou famosa e é recordada no Evangelho (cf. Mt 23,35). 
25
1-28
A eficácia da luta de um povo depende da presença de Deus que abençoa e dá a vitória, porque essa luta é expressão do seu projeto. Isso não significa, porém, que Deus se comprometa com os caprichos de um grupo. Deus se compromete com as lutas que visam à conquista da liberdade e vida para todos. Por outro lado, o objetivo da luta é desvirtuado, quando não serve mais ao projeto de Deus, mas a projetos egoístas de pessoas ou grupos. Então Deus se retira da luta. e quem for humanamente mais forte acabará vencendo. A palavra profética nos adverte que Deus não é joguete nas mãos do homem. É preciso discernir se a luta do povo está realmente de acordo com o projeto de Deus. Caso contrário, ele entregará o povo às conseqüências de seus próprios caprichos. 
26
1-23
O governo do rei Ozias é promissor: desenvolvimento agrícola, progresso tecnológico e defesa militar bem aparelhada. Em outra palavras, o rei proporciona ao povo condições básicas de subsistência e segurança, o que, aliás, é função própria do governo. Os problemas surgem quando o poder político se embriaga e começa a tomar atitudes absolutistas, pretendendo assumir papel religioso dentro da sociedade. Quando o poder político se apossa do controle da religião, o povo perde toda possibilidade de criticar e impedir os abusos do poder.
27
1-9
Sobre Joatão, cf. nota em 2Rs 15,32-38. O país parece estar em segurança e ser capaz de se defender contra as investidas de países vizinhos. O v. 2, porém, mostra que a situação religiosa não era das melhores, preparando o relato das reformas de Ezequias e Josias.
28
1-27
Cf. nota em 2Rs 16,1-20. Os vv. 9-15 fazem grande elogio ao reino do Norte, mostrando que seu povo é capaz de dar ouvidos ao profeta e respeitar o povo de Judá. Cf. parábola do bom samaritano em Lc 10,29-37. 
29,1-35,27
Ameaçado pelo império assírio e pelo paganismo, Judá conhece dois grandes momentos: a reforma político-religiosa de Ezequias e, oitenta anos mais tarde, a reforma de Josias. No tempo de Ezequias isso se tornou possível por causa do enfraquecimento momentâneo da Assíria. No tempo de Josias, a Assíria estava em decadência e Babilônia ainda não se tornara grande potência internacional. As duas reformas, porém, se viram logo freadas devido à política internacional.
29
1-36
Cf. nota em 2Rs 18,1-8. O autor de Crônicas aumentou consideravelmente o relato de 2Rs. Ele estava interessado em salientar a importância do Templo e das cerimônias, mas sobretudo a função dos sacerdotes e levitas. 
30
1-27
Sobre o significado da Páscoa e dos Pães sem fermento, cf. Ex 12,1-14; 15-20; 21-28 e notas. No momento em que se pretende fazer uma reforma para reestruturar o país, a Páscoa é celebrada a fim de transmitir para as novas gerações a memória esquecida de libertação e vida. Essa festa litúrgica se apresenta como celebração do ideal a ser conseguido na reestruturação: uma sociedade que viva na fraternidade, procure reunir o povo dividido e que deposite sua confiança em Javé, presente na história para libertar da opressão.
31
1-21
A celebração da Páscoa e dos Pães sem fermento se concretiza imediatamente numa prática de fraternidade: a partilha dos bens que supre as necessidades. Notar que a sobra (vv. 8-10) não é acumulada por ninguém.
36
22-23
Os livros das Crônicas terminam com o anúncio de uma esperança: a volta para a terra e a reconstrução do Templo, que permitirão ao povo reconstruir sua identidade e apesar de todas as limitações, continuar a perseguir a concretização histórica do projeto de Javé. Estes versículos iguais a Esd 1,1-3, mostram que a história continua nos livros de Esdras e Neemias, formando um conjunto, que se costuma chamar “História do Cronista”.



sábado, 10 de junho de 2017

Primeiro Livro das Crônicas

1-10
Os dois livros das Crônicas procuram fazer uma síntese de toda a história de Israel, a fim de justificar e fundamentar o estilo de vida na comunidade judaica, depois do exílio na Babilônia. A primeira parte é reconstituída a partir de listas genealógicas de Adão até Davi. Para o autor, a história é uma sucessão de gerações, que transmitem a tradição.
As listas genealógicas chegam até Davi  e os sacerdotes. Davi é o ponto de partida da esperança messiânica. E os sacerdotes são chefes do culto que, fundamentado nas tradições passadas, fornece uma identidade religiosa para à comunidade judaica.
11
1-9
Davi é introduzido diretamente como único rei de um povo já unido. Seu primeiro ato é conquistar Jerusalém, que será o centro político e religioso de Israel. O v. 9 mostra que Deus abençoa o grande ideal da comunidade pós-exílica: viver como povo unido ao redor, de um só rei e tendo Jerusalém como centro da própria vida.
10-47
Davi, desde o início, tem ao seu lado todo povo, o exército e os homens de valor. Portanto, tem à mão todas as condições para exercer um governo justo, que dê solidez à identidade nacional de Israel.
12
1-23
É o tempo em que Davi vive às escondidas, perseguido por Saul. Os contingentes que chegam de todas as partes para se aliarem a Davi mostram o descontentamento geral e a busca de um novo líder. Desse modo, o autor frisa que a liderança de Davi é desejada por todo o Israel.
24-41
A reunião de todos os homens armados em Hebron representa o povo aceitando Davi como rei. O clima de festa e alegria mostra que o acontecimento é simbólico: na mente do autor, o fato de Davi ser consagrado por todo o povo mostra que Javé o confirma como rei. Doravante, o messianismo davídico se torna uma espécie de sacramento da presença e governo de Javé.
13
1-14
O primeiro ato solene de Davi como rei é reunir todo o povo para decidir democraticamente sobre a maneira como conduzir a Arca para Jerusalém, a fim de transformar a cidade em capital religiosa do povo. Esse ato de Davi mostra que a política não é em si mesma, mas somente meio de levar o povo a construir a própria vida a partir do projeto de Deus. O iniciante com Oza é explicado em 1Cr 15,11-13: ainda não existe um sacerdócio organizado para administrar convenientemente o culto.
14
1-17
Chefe de uma família numerosa. reconhecido pelos reis vizinhos e vitorioso contra os inimigos, Davi chega ao ápice de sua glória. Consultando a Deus antes de tomar uma decisão, o rei mostra que o poder político deve estar a serviço do projeto de Javé, que produz liberdade e vida para todos.
15,1-16,3
A transferência da Arca para Jerusalém é feita em clima de grande festa. E a cidade torna-se santa, que a transforma em cidade de todo o povo. O sacrifício, a bênção e a refeição marcam a comunhão íntima entre Deus e seu povo. A cidade realiza de modo verdadeiramente humano quando o povo oferece generosamente o seu esforço (sacrifício) e quando a autoridade política se coloca de fato a serviço do bem comum (bênção), dando a todos a oportunidade de partilhar igualitariamente os bens e decisões que constroem uma sociedade justa (refeição). Reassumindo esses três aspectos (sacrifício, bênção e rejeição), a Eucaristia será o sacramento da "cidade" que reúne todo o povo.
16
4-36
Apresentando trechos dos salmos 105, 96 e 106, o texto mostra uma celebração do culto pós-exílio. O centro do culto é a proclamação do Deus vivo, que age na história, libertando o seu povo, entrando em aliança com ele, protegendo-o dos inimigos e encaminhando-o para a vida. Esse mesmo Deus é o rei do seu povo, que um dia governará todas as nações, reunindo todos os homens numa sociedade justa e fraterna.
37-43
Até que o Templo seja construído, o seu culto é celebrado em dois lugares: em Jerusalém se celebra o louvor junto à Tenda: em Gabaon se oferecem os sacrifícios. O reconhecimento contínuo do Deus vivo sustenta a caminhada de um povo para construir a cidade segundo o projeto dele.
17
1-15
Cf. nota em 2Sm 7,1-17. No contexto do pós-exílio, um descendente de Davi será o Messias, que virá no futuro para restabelecer toda a grandeza de Israel.
16-27
Cf. nota em 2Sm 7,18-29.
18
1-13
Ao ser escolhido, o rei se comprometia a libertar o povo de seus inimigos. Aqui, o resumo das conquistas de Davi mostra que ele cumpriu essa primeira parte do contrato com o povo (cf. também nota em 2Sm 2,1-5).
14-17
Cf. nota em 2Sm 8,15-18.
19,1-20,3
Cf. nota em 2Sm 10,1-19. Note-se que Davi não acompanha mais o exército (20,1). O autor de Crônicas omite a narração do pecado de Davi, e o castigo que se seguiu (cf. 2Sm 11,1-12,15). Sobre 20,1-3, cf. nota em 2Sm 12,26-31.
20
4-8
Estes episódios ficariam melhor depois de 1Cr 14,8-17, onde narram as lutas contra os filisteus, durante os primeiros anos do reinado de Davi.
21,1-22,1
Cf. nota em 2Sm 24,1-25. Salientando o preço pago por Davi, o autor mostra que o lugar do Templo tem valor imenso. Segundo esse livro, o único erro de Davi transforma-se em ocasião para ele fixar o lugar de culto ao Deus verdadeiro.
22
2-19
Para o autor, é importante frisar que Davi deixou tudo preparado para a construção do Templo em Jerusalém. Desse modo, ele não só é o fundador político da nação, mas também o seu organizador religioso. Portanto, o texto deixa claro que a política não deve ocupar o lugar de Deus., mas promover e preservar a presença de Deus e seu projeto, porque é disso, em última análise, que depende a construção de uma sociedade justa e fraterna. Não se trata de construir templos riquíssimos para Deus, mas de promover a liberdade e a vida do povo. Nisso está o centro do projeto de Deus.
23,1-29,30
Segundo o autor do livro, o último ato de Davi foi convocar uma grande assembléia dos chefes de Israel para proclamar Salomão como rei. Nesse contexto, o autor apresenta um regulamento do culto (23-26), seguido pelo regulamento civil (27). Depois, vêm as instruções sobre o Templo (28) e a solene entronização de Salomão (29). Com isso, o autor procura fundamentar e confirmar a instituição religiosa que dava forma à comunidade pós-exílica. Usando e trabalhando antigas tradições, ele procura fornecer uma organização sólida para um povo que não teve possibilidade de se organizar politicamente devido às dominações estrangeiras.
23
1-32
Antes do exílio na Babilônia, os levitas foram os grandes pregadores que alimentavam a fé no Deus do êxodo e lembravam as conseqüências dessa fé (cf. livro do Deuteronômio). No pós-exílio, eles são reabsorvidos no ambiente do culto como auxiliares dos sacerdotes para questões materiais ligadas ao Templo.
24
1-31
Na verdade, antes do exílio, desde o tempo de Salomão houve atritos ente levitas e sacerdotes (cf. 1Rs 2,26-27), atritos que continuaram depois do exílio. O autor procura sanar essa divisão, a fim de que a unidade religiosa se torne possível. No presente texto, levitas e sacerdotes têm a mesma importância.
25
1-31
No pós-exílio, os cantores têm papel importante no culto, e são divididos, como os sacerdotes, em vinte e quatro turnos. O canto sacro é considerado palavra de Deus, tanto que os cantores são chamados de profetas e videntes. É nesse tempo que o saltério adquire a sua importância como livro de cantos do Templo e como parte integrante da Palavra de Deus.
26
1-32
Centro da vida judaica no pós-exílio, o Templo adquiriu uma estrutura complexa. O bom funcionamento exigia controle (guardas) e orientação (a função dos porteiros era escolher e orientar os peregrinos; cf Sl 15).
27
1-34
Para o autor, Israel deve sua organização civil e militar a Davi. Isso, porém, é apenas uma tentativa de ressaltá-lo como rei ideal.  A organização administrativa e militar, em plano nacional, foi de fato obra de Salomão (cf. 1Rs 4,7-5,8 e notas).
28
1-21
Retoma-se aqui o relato interrompido em 23,2. Recordando a profecia de Natã (cf. nota em 17,1-15  e 2Sm 7,1-17), passa-se diretamente ao tema do Templo e aos projetos para executá-lo da comunidade, sendo então dirigido pelos sacerdotes e não pela dinastia de Davi, a qual não existe mais. Desse modo, o Templo se torna a grande herança projetada por /Deus e preparada por Davi.
29
1-9
Relatando o gesto generoso de Davi, seguido pelas outras autoridades e pelo povo, o autor convida a entregar para o bem comum tudo o que cada um tem de maior valor. No pós-exílio, o bem comum era simbolizado pelo Templo, única instituição que podia preservar, nessas circunstâncias, a tradição viva e manter a identidade do povo, reunindo em torno de Javé, cujo projeto é liberdade e vida para todos. De fato, Deus quer que todos se voltem para a concretização histórica desse projeto, que implica renúncia às posses, a fim de que todos tenham o necessário para uma vida digna.
10-22
Tudo pertence a Deus. O que o homem lhe poderia dar? Apenas reconhecimento, que se extravasa em ação de graças e oferta voluntária daquilo que recebeu de Deus. Com Deus o homem aprende a dar, e de Deus recebe o que dar.
23-30
O primeiro livro das Crônicas termina com breve resumo da vida de Davi. O autor deixa claro que o livro é uma versão da história e indica as fontes que usou, entre as quais os livros de Samuel e Reis.



quinta-feira, 9 de março de 2017

Todo aquele que pede, recebe

Dia 09 de março de 2017
5ª Feira da 1ª Semana da Quaresma Ano A

1ª Leitura: Ester 4,17n.p-r.aa-bb-gg-hh

Acusado até a morte, o oprimido descobre, no seu próprio grito de dor, a mais elevada consciência a que a humanidade pode chegar: saber que deus é o supremo aliado e fonte da vida, que ele está acima de todos os sistemas humanos de poder. Na súplica está a força para resistir até o fim, criando o principio que subverte radicalmente tudo o que, sendo relativo, se apresenta como absoluto e divino.

Salmo: 137

Oração de agradecimento, celebrando a experiência do atendimento.
1-3
Não é clara a situação da qual a pessoa foi libertada. O fato de gritar, porém, parece indicar uma situação social.
4-6
A pessoa convida outras a participar da ação de graças. O convite aos reis tem algo de aviso: também eles devem reconhecer que Deus é transcedente, mas está sempre presente, para distinguir entre justos e injustos.
7-8
A experiência passada é agora aplicada a novas situações, onde Deus sempre se manifesta como libertador.

Evangelho: Mateus 7, 7-12

A oração é a expressão da nossa relação com Deus como único absoluto (cf. Mt 6,5-7). Aqui se abre uma nova perspectiva: essa relação deve ser de confiança e intimidade como a de um filho para com o seu pai.
12
No tempo de Jesus, "Lei e Profetas" indicava todo o Antigo Testamento. Esta "regra de ouro" convida-nos a ter para com os outros a mesma preocupação que temos espontaneamente para com nós mesmos. Não se trata de visão calculista - dar para receber - , mas de uma compreensão do que seja o amor do Pai. 


Edinólia Oliveira

Como saber que a nossa oração será ouvida? Pedimos a Deus tudo  o que desejamos? Deus é tudo, é nosso criador, e nos ama. Somos íntimos de nosso Pai por sermos parte de sua maravilhosa criação. Seremos íntimos de Deus quando reconhecemos que ele está acima de todas as coisa e agimos com humildade na oração. Mesmo quando estamos agitados e preocupados com o trabalho e relacionamento podemos orar e falar com Deus. Pedinos a Deus sabedoria para conduzir nossa vida sem fazer mal a natureza e a nossos semelhantes. É assim que seremos ouvidos. Mas tenhamos cuidado com o que pedirmos, pois, nosso criador conhece o nosso coração muito mais que a nós mesmos. Ele nos conduz a vivermos em comunhão. Quando vivemos isolados e no egoísmos, passamos a ter na nossa frente um abismo diante de Deus. Porque Deus sempre está a nossa frente. Cuidado com esse abismo, cuidado com o que desejamos. 

Amem!!!

Ester

4
17a-17i
Acusado até a morte, o oprimido descobre, no seu próprio grito de dor, a mais elevada consciência a que a humanidade pode chegar: saber que deus é o supremo aliado e fonte da vida, que ele está acima de todos os sistemas humanos de poder. Na súplica está a força para resistir até o fim, criando o principio que subverte radicalmente tudo o que, sendo relativo, se apresenta como absoluto e divino.